Histórico

Até a década de 70, o vocacionado que desejasse estudar teologia ou educação cristã numa instituição batista, teria que sair da sua cidade e ir para um grande centro. Quando o governo brasileiro começou a olhar para o interior do país e a desestimular a migração para os grandes centros, investindo em cidades pequenas, as lideranças batistas de todo país viram a necessidade de ter escolas de ensino teológico nos Estados, onde o aluno pudesse estudar sem um esforço financeiro muito grande e sem ter que abandonar tudo para ir a outro lugar. Várias Convenções Estaduais organizaram seus Seminários ou Faculdades Teológicas.

Neste contexto nasceu a idéia da fundação de uma escola teológica de formação superior na cidade de Campinas que atendesse toda a região. A facilidade das estradas e o número de pastores e igrejas tornava possível tal projeto. A Ordem dos Pastores Batistas da Associação de Campinas e Adjacências, reunida no Acampamento Batista de Sumaré em 10 de março de 1977 discute o assunto e decide convocar uma reunião com o Dr. Werner Kaschel, da Faculdade Teológica Batista de São Paulo para detalhar o plano.

Nossa Missão

Servir a Igreja contemporânea, capacitando líderes através
de educação teológica com qualidade.

Nossa Visão

Ser reconhecida como uma escola de preparo de liderança ministerial que preza pelo conhecimento bíblico-teológico profundo, o desenvolvimento do caráter cristão e experiência prática para boa condução da Igreja.

Nossos Valores

Ensino teológico fiel às Sagradas Escrituras
Espiritualidade saudável e relacionamentos construtivos
Envolvimento e respeito com a Igreja Local

A ponte entre o sonho e a realidade

No dia 12 de abril de 1978, no prédio da Junta de Rádio e Televisão – JURATEL, o assunto é amplamente discutido entre o Dr. Werner e a Ordem dos Pastores. Decidem incluir o assunto na agenda da Assembléia Anual da Associação e, sendo aprovado, encaminhar solicitação à Junta de Educação Teológica da Convenção Batista de São Paulo – JET – para administração, e a JURATEL para o uso das dependências. Para dar prosseguimento aos estudos e viabilizar tais decisões é criada uma comissão que decide informar as igrejas da pretensão de organizar em Campinas uma escola de ensino teológico superior, com um curso noturno, de segunda à sexta-feira e solicita aos pastores que façam o levantamento de possíveis alunos. Em junho o Colégio Batista de Campinas coloca à disposição da nova escola o equipamento gráfico, material de secretaria, assessoria administrativa e local para reuniões da comissão. Ainda em junho, na Assembléia Anual da Associação Batista de Campinas e Adjacências o assunto é apresentado em forma de painel, com a participação de seis membros da comissão, que abordam aspectos diferentes dos resultados positivos da possível escola teológica. A assembléia aprova e elege uma comissão para dar andamento ao planejamento.

Em 11 de agosto é enviado uma carta à JURATEL solicitando o uso das dependêcias. O assunto não é decidido imediatamente, ficando para decisão em reunião futura. Em 15 de setembro a Junta de Educação Teológica envia uma carta apoiando a idéia e se propondo a encaminhar o assunto a Assembléia Anual da Convenção Batista do Estado. Sem uma resposta da JURATEL sobre a disponibilidade do uso das suas dependências, em 22 de setembro a comissão envia uma carta ao Seminário Presbiteriano de Campinas, solicitando o uso de suas salas, no período vespertino. A resposta é negativa.

Em outubro foi acrescentado à comissão o Dr. Werner Kaschel, Edwart Cavalcante de Albuquerque, Ricardo Gibbs e um assessor jurídico, Dr.Paulo Rizzi. É feito o estudo de possíveis professores e criam uma subcomissão para estudar o currículo. Na reunião de 1 de dezembro é aprovado o currículo e corpo docente do primeiro semestre de 1978 e chegam as respostas positivas dos pedidos de uso das dependências das igrejas Batistas Central, Nova Jerusalém, Vila Nova e a resposta negativa da Primeira Igreja Batista de Campinas. A comissão decide pelo nome Faculdade Teológica Batista de Campinas e elege como diretor o Pr Ilgonis Janait.

Em 10 de dezembro de 1978, numa reunião extraordinária da Associação na Primeira Igreja, o Dr. Paulo Rizzi apresenta o relatório da comissão teológica com nome, diretor, possível corpo docente e currículo. O relatório é aprovado na íntegra, sendo assim, organizada a Faculdade Teológica Batista de Campinas.

A campanha de doação de livros para a nova entidade é um sucesso e chega a 1000 volumes. A missionária Peggy Stouffer é eleita responsável pela biblioteca. Vota-se a filiação a Associação Brasileira de Instituição de Ensino Teológico – ABIBET.

Em 3 de fevereiro de 1978 é aprovado o calendário do primeiro semestre e no dia 25 acontece a primeira reunião do corpo docente e no dia 3 de março com um culto solene, no templo da Igreja Batista Central de Campinas instala-se a Faculdade Teológica Batista de Campinas. A aula inaugural é proferida pelo Dr. Werner Kaschel e conta com a participação especial do coro da Igreja Batista do Cambuí.

As aulas começam no dia 4 de março em uma sala do prédio da Juratel com 17 alunos matriculados. A sala é pequena e o último aluno a chegar, senta-se à porta.

No segundo semestre de 1978 a Faculdade passa a usar as dependências da Igreja Batista Central de Campinas. A Associação cria um conselho de educação para Administrar a Faculdade.

Sede própria

A primeira possibilidade de sede própria foi em dezembro de 1977, quando a comissão de Educação Teológica da Associação foi informada da possível doação da senhora Helena Kerklis de um terreno de 8 alqueires em Paulínia. Esta doação foi aceita pela Associação e pela Convenção Estadual, mas não pode ser concretizada.

Em agosto de 1984 a Convenção autoriza a Junta de Educação Teológica a lançar uma campanha para compra de uma sede para a Faculdade Teológica de Campinas. Esta não foi consumada. Dois anos mais tarde nova campanha é lançada em todo o Estado. Os resultados são poucos. Em setembro de 1989 e Junta de Missões Mundiais estuda a possibilidade de ceder um espaço no terreno do Jardim Rosolém, Hortolândia, para construção do prédio da faculdade. O que também não foi concretizado.

Em setembro de 1995 o Conselho da Convenção Batista do Estado de São Paulo decide que as suas propriedades ociosas seriam vendidas e o valor arrecadado seria revertido para a compra da sede da Faculdade de Campinas.

Dependências

A FTBC começou numa pequena sala do prédio da JURATEL, ficou apenas o primeiro semestre e foi transferida para a Igreja Batista Central de Campinas. Nas férias de final de ano de 81 e início do ano letivo de 82, a igreja construiu o seu edifício de educação religiosa e a biblioteca da Faculdade foi empacotada e guardada na casa do diretor em Nova Odessa. A secretaria, neste período, funcionou nas dependências da Segunda Igreja Batista de Nova Odessa, onde o diretor era pastor.

A FTBC ficou na Igreja Batista Central até o fim de 1992, por 13 anos e meio. Em 93 mudou-se para o prédio da Igreja Batista Vida Nova, no bairro Vila Nova. Algumas adaptações foram feitas e apesar do espaço pequeno, atendia as necessidades.

Em 1996, sob a direção do Pr Márcio Loureiro Redondo foi alugado uma parte do prédio da JURATEL e a Faculdade foi transferida. Uma boa reforma foi realizada com ajuda financeira do exterior e muito trabalho voluntário de vários irmãos: hoje temos, além das salas de aula, salas para a administração, secretaria, biblioteca, capela, etc.